Campo de Concentração

Aproveitamos a nossa viagem para Berlim (veja os posts sobre a viagem, parte 1 e 2) para visitar um campo de concentração. Nós visitamos o Campo de Concentração de Sachsenhausen, que fica aos redores da cidade.

Nós fomos de carro, mas também dá para ir de transporte público, é só tomar o S-Bahn 1 até Oranienburg (não confundir com a estação de metrô Oranienburg). Leva cerca de 45 minutos. De lá o ônibus 804 até a parada Gedenkstätte, ou siga à pé. O Campo de concentração fica aberto de terça a domingo entre 15/out e 14/mar das 8h30 até às 16h30, e entre 15/mar e 14/out até as 18h. A entrada é gratuita, isso é uma forma de todos visitarem com o intuito de que ninguém mais seja capaz de fazer o que aconteceu naquela época.

Sachsenhausen foi um Campo de Concentração que esteve ativo desde meados de 1936 a abril 1945. Este campo de concentração não foi um campo de extermínio como era Auschwitz, mas isso não significa que pessoas não foram executadas. Aproximadamente 200 mil pessoas passaram por Sachsenhausen. Destas, cerca de 100 mil morreram de doença, desnutrição ou de pneumonia. Muitos outros foram executados ou morreram como resultado de experimentação médica brutal.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Sachsenhausen se expandiu num sistema de trabalho forçado concentrados ao redor das fábricas de armamentos, que utilizavam. Além disso alguns dos prisioneiros tinham que fazer moeda americana falsa, isso até rendeu um filme chamado “Os Falsários”. Fora o trabalho forçado, muitos presos também foram sujeitos a experimentos médicos. Em Janeiro de 1945 havia mais de 65 mil prisioneiros em Sachsenhausen, incluindo mais de 13 mil mulheres.

Eu sempre tive vontade de visitar um campo de concentração para entender mais sobre essa parte da história, sabia que seria muito triste, mas só estando lá para realmente sentir…não dá para descrever!!! Naquele dia uma tristeza enorme tomou conta de mim, fiquei praticamente o dia todo pensando nas coisas que aconteceram com aquelas pessoas. E pensando também se ainda pode acontecer isso tudo novamente. Eu nunca senti nada igual na minha vida e quando algo me lembra esse dia, fico mal novamente.

Não vou indicar para alguém ir em um campo de concentração, mas achei que essa experiência de poder ver de perto a que ponto o ser humano pode chegar, é importante na vida. Talvez sirva como um alerta para que isso não se repita. Acho que é por isso que as crianças aqui da Alemanha são obrigadas a visitar pelo menos 2 vezes um campo de concentração durante 0 período escolar.

Para entrar no campo de concentração você passa pelo portão principal onde tem um escrito “Arbeit macht Frei”, que significa “O trabalho liberta”, já achei um absurdo, uma tiração de sarro!!!

Lá dentro você encontra alguns barracões em pé, os demais foram demolidos, mas você consegue ver a marca no chão e ai é que temos idéia da imensidão daquele campo. Tinha mais de 50 barracões naquele lugar.

Nós começamos a visita pelos galpões que serviam de enfermaria, lá dentro você encontra várias histórias sobre os experimentos que os médicos faziam nos prisioneiros. Tudo para mim lá foi aterrorizante, mas essa parte acho que foi mais, eu não imaginava que faziam experimentos em campo de concentração!!!

Além disso, conhecemos onde os prisioneiros dormiam, os banheiros minúsculos e super precários, a cozinha, o presídio!!!

Deu para ter uma bela idéia do que aconteceu naquela época, são muitas histórias que estão lá, inclusive histórias de pessoas que sobreviveram…

Seguem algumas fotos do lugar….

Anúncios

Sobre fabianaduquefotografia

Gosto de música, fotografia e viagens.
Esse post foi publicado em Viagens e marcado , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para Campo de Concentração

  1. Bruna disse:

    Oi Fabiana!

    Realmente deve ser muito triste visitar um lugar destes. Estive na Polonia no inicio do ano passado e nao tive coragem de visitar Auschwitz.
    Esse ano vou a Munique e to pensando ainda se vou ou nao, umas amigas me falaram que Dachau eh mais ‘light’.. mas acredito q uma coisa dessas nao tenha como ser mais light.

    • Oi Bruna!!!

      Concordo com vc que uma coisa dessas nao tem como ser light!!! Mas foi o que eu disse, morria de vontade de saber mais dessa parte da história, nunca tive coragem de perguntar para um Alemao, por isso decidi ir…
      Caso vc decida passar lá, sugiro deixar para o ultimo dia de viagem , se der é lógico….
      bjo

      • Bruna disse:

        Verdade, ultimo dia mesmo! Enquanto eu fiz meu intercambio na Escocia, tive bastante colegas da Alemanha e tbm nunca tive coragem de perguntar sobre isso. =)

  2. lilag10 disse:

    Nossa, pelas fotos, já dá uma tristeza ….:(

  3. Acho que todos os campos são muito semelhantes, aqui em Weimar tem o Buchenwald, na passagem a Alemanha o Obama insistiu em vistá-lo, não é um campo de extermínio, mas mesmo assim um lugar com um ar pesado. Espero que essa história não se repita, apesar de que as crueldades são marcas profundas de ditaduras que persistem no mundo até hoje…
    Muito legal o post, acho que vou revisitar buchenwald e escrever sobre ele, aproveitando que estamos no verão!
    beijos

  4. Sylvia Drago disse:

    Excelente, Fabi. Tenho acompanhado todos os seus posts, só não dá tempo para comentar. Também tenho muita vontade de conhecer um campo. Já li vários livros sobre o holocausto e estou, inclusive, lendo um com esse nome. Realmente impressiona até que ponto o ser humano pode chegar. Saudades de você, continue com seus posts inteligentes e super interessantes. Bjs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s